domingo, 5 de janeiro de 2014

Até o fim


Não queria ter de me arrepender
Tão amargamente de viver
Tal amor que tanto quis
Mas eis então que no fim
Não vejo mas se há saída.

Tanto querer que tive
De nada adiantou, e vive
Então, ainda me perturbando
E minhas noites ainda roubando
Com sonhos que eu não quero
Pois, mais sonhar

Queria então poder acordar
E então ao teu lado estar
Acordar-te com um leve beijo
E ver em teus olhos o desejo
De comigo partilhar tua vida
Daqui até o fim dos tempos.

- Rodrigo Fernandes Moraes

Nenhum comentário:

Postar um comentário